III Turma Curso Regular de Advocacia Criminal
Turma Antônio Carlos de Almeida Castro - Kakay
III Turma Curso Regular de Advocacia Criminal
A ESCOLA DE CRIMINALISTAS é fundada sobre as bases de um fazer artesanal da advocacia criminal. Isto implica em uma perspectiva de ensino-aprendizagem em que o foco recai sobre a transmissão de um ofício, o de criminalista.

Na transmissão de um ofício, o SABER-FAZER é aprendido de maneira prática, formal, no espaço da oficina, no contato do aprendiz com a matéria-prima, na observação e escuta da instrução-chave que não está descrita em manual algum, mas que se dá a conhecer pela palavra-ato do artesão mais antigo.

A advocacia criminal como fazer artesanal, para além das instruções dos manuais, impõe conhecer em profundidade os ritmos, as pausas, os fluxos, inflexões e tons em jogo no processo penal, sua matéria-prima. E se o produto artesanal é sempre o resultado do ato do artesão e como tal traz impressa a marca de sua personalidade, o saber-fazer, no ofício do criminalista, também implica um SABER-SER.

É assim que a Escola de Criminalistas propõe uma experiência de ensino-aprendizagem vivencial cujo fio condutor é necessariamente o processo penal e cuja metodologia dá acesso tanto às sutilezas da prática processual quanto ao desenvolvimento de competências comportamentais fundamentais para a excelência no exercício do ofício de criminalista. Informações preciosas que não se dão a conhecer em um passe de mágica, os conteúdos e discussões realizados fermentarão nos participantes segundo um trabalho de maturação que não merece ser acelerado: SABER-CONHECER.

Para tanto, não há pílula mágica: as atividades do curso acontecerão ao longo de três meses, uma vez por semana, em um total de doze encontros presenciais, onde serão discutidos e vivenciados em profundidade os temas fulcrais ao exercício da advocacia criminal.

Nesta construção, os participantes escolhem e são escolhidos pela Escola de Criminalistas, segundo critérios que testemunham reciprocidade, admiração pessoal e profissional, afinidade de princípios, confiabilidade e potencial de transformação. A viga-mestra, um forte pacto de confidencialidade posto que as informações tratadas dizem respeito ao delicado campo da defesa, suas estratégias, às relações com os diversos atores envolvidos no processo, às angústias causadas pela solidão deste fazer na contramão da opinião pública, como pelas dificuldades da administração de uma carreira sustentável como criminalista.

Uma Escola de Criminalistas com a determinação de propor um corajoso percurso de estudo, debate e transformação sobre as questões mais tormentosas e delicadas que povoam o trabalho do advogado criminal.

Existe uma. E é toda nossa!

Mônica Delfino
ESCOLA DE CRIMINALISTAS
Patrono da turma
Antônio Carlos Almeida Castro
Kakay
Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido mundialmente como Kakay, é hoje um dos mais respeitados e atuantes advogados criminalistas do País. Dono de uma oratória invulgar, de uma imensa inteligência e invejável astúcia, Kakay atua nos mais rumorosos casos da atualidade, sempre fazendo valer o direito de todos à plenitude defensiva. Sua luta intransigente pelo respeito às garantias constitucionais não acontece apenas nas defesas que faz nos processos judiciais, mas está viva e presente em todas as suas manifestações, tanto na imprensa, quanto em seus artigos e palestras por todo o Brasil. Sem dúvida alguma, o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro representa, com sua advocacia combativa e ética, um modelo a ser seguido por todos os que labutam no direito criminal.
Palestrantes
Antônio Carlos Almeida Castro
Advogado criminalista
Jader Marques
Advogado criminalista
Mônica Delfino
Psicóloga e Diretora da Escola
Domingos Tocchetto
Perito
Adler Baum
Advogado criminalista
Leonardo Santiago
Advogado Criminalista
Francisco Benfica
Médico Legista
Danilo Christidis
Fotógrafo
Informações sobre o curso
Mônica Delfino – Diretora
Jader Marques – Professor Coordenador
Local das aulas: Av. Diário de Notícias, 400 – Auditório
Horário: 18h e 30min até 22h
Programa Provisório
Setembro: 10, 17 e 24
Outubro: 01, 08, 15, 22 e 29
Novembro: 05 e 12

Temas: Improvisação aplicada, Psicodrama, Advocacia Criminal Artesanal, Produção Textual, Gestão da Carreira, Prova Pericial, Penal e Processo Penal, Tribunal do Júri.

Formatura: Novembro
Escola de Criminalistas
Há mais de vinte anos, o professor Braulio Marques, da cadeira de Direito Penal da Faculdade Ritter dos Reis de Canoas, pensou em um modo de estimular ainda mais a capacidade de aprendizado dos seus alunos.

O plano consistia em envolver os interessados no estudo e na preparação da defesa de réus acusados em processos reais da competência do Tribunal do Júri. As reuniões aconteciam no escritório, onde eram lidas as peças dos autos e preparada a defesa de plenário.

Posteriormente, os alunos acompanhavam o professor na realização do julgamento em todos os seus termos. Braulio Marques sempre pensou assim: a prática é a única forma de, verdadeiramente, aprender o direito penal e processual penal.

De fato, a experiência ficou marcada nas vidas de todos os que tiveram a oportunidade de viver o processo em todos os seus momentos.

Outras experiências, na mesma linha, foram desenvolvidas ao longo dessas duas décadas, sempre com o objetivo de propiciar o encontro da dogmática com o fazer prático.

E como nunca é tarde para realizar um sonho, diante de uma demanda não atendida pela maioria dos cursos voltados para o exercício da advocacia, decidimos criar uma escola direcionada apenas para criminalistas.

Por isso, eu e o Braulio Marques, com a participação de convidados especiais, discutiremos aqueles assuntos tão negligenciados e que são fundamentais para nossa atividade.

Cobrar honorários, fechar um bom contrato, impetrar HC, atender um flagrante, fazer uma excelente sustentação oral, fazer o trabalho de plenário no júri, além das questões de organização de escritório, gestão da carreira e da imagem.

A ESCOLA DE CRIMINALISTAS será um espaço de discussão e aperfeiçoamento específico para o advogado que atua na área criminal.

O percurso de estudo do processo penal passa por três tópicos fundamentais: SABER- CONHECER, SABER-FAZER e SABER-SER. Nessa caminhada, com uma proposta ousada, queremos destruir velhas conservas culturais, discutir abertamente todos os temas, enfrentando, inclusive, o modo como se estuda o direito. Para tanto, além dos convidados da área jurídica, contaremos com a participação do faixa preta de Jiu-jítsu Mestre Fabiano Porto, da Psicóloga com formação em Psicodrama Marta Echenique e com a Psicóloga especialista em gestão de carreira Monica Delfino.

Todo o estudo do direito penal e processual penal ocorrerá pela análise de casos reais, com a realização da defesa de um júri, que será feito por mim, conforme a orientação de toda a turma.

A primeira edição do curso (Ago/Out-2016) já está fechada. Todos os participantes foram selecionados pelo brilho no olho. Cada profissional foi chamado pela responsabilidade e pelo potencial de crescimento. Advogados dedicados ao exercício diuturno da advocacia, na delegacia, no balcão do Foro, na sala de audiência, no Tribunal.

Uma turma de notáveis criminalistas, curiosos, ávidos por trocar experiências, prontos para adquirirem novos conhecimentos e abertos para a experimentação do novo.

Muita coisa vem por aí. Uma ESCOLA DE CRIMINALISTAS. Sim. E é toda nossa.

Jader Marques
Galeria Multimídia
Veja tudo que aconteceu nas últimas edições: